Santo Amaro

Lat: -12.572993013612000, Long: -38.714799005340000

Santo Amaro

Bahia, Brasil

Enquadramento Histórico e Urbanismo

A região foi ocupada pelos caetés, e depois pelos pitiguaras e carijós. Quando a sesmaria ainda pertencia a D. Felipa de Sá, foram vendidas 400 braças em quadra a Gonçalo Alves, em 1602, que as vendeu aos beneditinos, em 1607. A mesma doou ao Colégio de Santo Antão de Lisboa o Engenho do Conde, e nele os jesuítas construíram a Igreja de Nossa Senhora da Purificação. Em 1678, este templo ruiu e os jesuítas não o reconstruíram, sendo a freguesia mudada, provisoriamente, para a Capela do Rosário. Nas suas terras os beneditinos edificaram, em 1667, a Capela de Santo Amaro, que ainda se conserva. A vila se desenvolveu em terraços do Rio Subaé, no ponto em que este recebe como afluente o Sergimirim. A povoação, nascida em torno dessa capela, começou a se transferir, a partir de 1700, para a Praça Nossa Senhora da Purificação, onde estão localizadas a Matriz e a Casa de Câmara e Cadeia. A cidade se desenvolveu linearmente seguindo o rio. O município se desmembrou, em 1727, de São Francisco do Conde. Em 1757, segundo a Relação do vigário José Nogueira da Silva, existiam 61 engenhos no município. Com um porto situado dentro do continente, em plena zona do massapé, a vila passou a ser o porto açucareiro por excelência do Recôncavo. Em 1855, uma epidemia de cholera morbus matou metade de sua população. Pela Lei Prov. no 43/1837, a vila foi elevada a cidade. Seu centro histórico não está prote‐ gido, mas alguns monumentos sim.

Arquitetura religiosa

Equipamentos e infraestruturas

Loading…