Bibliografia

Agência Geral do Ultramar, Relação dos Estabelecimentos de Ensino Oficial em funcionamento nas províncias do Ultramar em 31 de Dezembro de 1958, Lisboa, Ministério do Ultramar, Direcção Geral do Ensino, 1960;

Aguiar, J., Machado, E., Campos, S., Normas para as instalações dos Liceus e Escolas do Ensino profissional nas províncias ultramarinas, Lisboa, AHU, MU, GUU, 1956;

Aguiar, J., L’Habitation dans les pays tropicaux, Lisbonne: XXIe Congrès, Federation Internationale de l’Habitation et de l’Urbanisme, Lisboa, 1952;

Campos, F. S., Liceu de Nova Lisboa, Memória descritiva do Trabalho nº 546, AHU, MC, GUU, 05.1956;

Cruz, L.; Lopes, E. P., Projecto do Liceu Feminino de D. Guiomar de Lencastre, Luanda, Memória descritiva do Trabalho n. 455, AHU, MU, GUU, 06.12.1952;

Cruz, L.; Lopes, E. P., Projecto do Liceu Feminino de D. Guiomar de Lencastre, Luanda, Memória descritiva do Trabalho n. 455, AHU, MU, GUU, 21.09.1954;

Martins, I. (coord.), Grilo, M. J., Machado, R. Arquitecturas de Luanda, 2010, pp. 123-125;

Milheiro, A. V., «Territórios de Sonho para a Arquitectura Portuguesa, Modelos e Miscigenação», AAVV Urbanidade e Património, Lisboa, 1998, p. 19-41;

Milheiro, A. V., «Escolas em Angola durante O Estado Novo», Nos Trópicos sem Le Corbusier - arquitectura luso-africana do Estado Novo, Lisboa, 2009, pp. 217, 394-399;

Milheiro, A. V., Ferreira, Jorge Figueira; «Moderno Colonial. Património escolar em Angola construído durante o Estado Novo Português», 3º docomomo Brasil, João Pessoa – Paraíba, 2010;

Milheiro, A. V., «Education Buildings in the Tropics: the work of the Colonial Planning Office in the former Portuguese Africa», 11th International Docomomo Conference, Cidade do México, 2010, pp. 19-27;

Milheiro, A. V., «Escolas em Angola durante o Estado Novo: Arquitectura e Arte»,  Revista de História das Ideias, n. 32, 2011, pp. 7-36.

Milheiro, A. V., «En los Trópicos sin Le Corbusier», Ciudades, La Modernidad Ignorada, nº 100, Puebla, México, outubro-novembro 2013, pp. 34-39;

Milheiro, A. V., «Africanidade na arquitectura colonial portuguesa», Seminário Terceira Metade, Museu Arte Moderna, Rio de Janeiro, 2011, pp. 95-96;

Milheiro, A. V., «Fazer Escola: A Arquitectura Pública do Gabinete de Urbanização Colonial para Luanda», Goyccoolea, R., Núnez, P. (dir.), La Modernidad Ignorada, 2011, pp. 118,122;

Milheiro, A. V., «Cidade e Arquitetura em África: Obras Públicas no crepúsculo da colonização portuguesa», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n. 22, Lisboa, 2013, pp. 47, 48;

Simões, J., «A Profissão de Arquitecto nas Colónias», Sindicato Nacional dos Arquitectos, Actas do I Congresso de Arquitectura, Lisboa, SNA, maio-junho 1948, Tostões. A. (coord.) 1º Congresso de Arquitectura[edição fac-similada], Lisboa, 2008, pp. 147-150;

[s.n.], «Urbanismo colonial – uma representação da Sociedade dos Arquitectos», Arquitectura, revista de arte e construção, n. 24, abril 1932, pp. 142-144.

Legislação:

Decreto nº 34 173, Ministério das Colónias: Cria, com sede em Lisboa, o Gabinete de Urbanização Colonial (GUC), organismo comum a todas as colónias de África, e define as suas atribuições. Diário do Governo, I série, nº 269, de 06.12.1944, pp. 1167-1168;

Portaria nº 13 625, Ministério do Ultramar: Altera a designação do Gabinete de Urbanização Colonial para Gabinete de Urbanização Ultramarino (GUU), organismo comum a todas as colónias de África. Diário do Governo, I série, nº 160, de 31.07.1951.

Loading…