Igreja de Nossa Senhora da Graça do Colégio dos Jesuítas

Igreja de Nossa Senhora da Graça do Colégio dos Jesuítas

Olinda, Pernambuco, Brasil

Arquitetura religiosa

Em 1551, os padres de Santo Inácio chegaram a Olinda. Um ano antes estavam na Bahia. Eram dois os jesuítas: Manuel da Nóbrega e António Pires. Receberam uma capela dedicada a Nossa Senhora da Graça, que seria para os padres agostinianos, que não vieram para a vila. Pouco se fez, por pequeno ser o número de padres. Em 1565, a igreja é substituída por outra e na década de setenta construída totalmente. Em 1595, quase pronta, a igreja foi comparada com a de São Roque de Lisboa, seu modelo. Atribui‐se ao arquiteto jesuíta Francisco Dias um projeto, guardado na Biblioteca de Paris, que pode ser para tal casa jesuíta. A igreja é um grande salão com duas capelas marcando um falso transepto e confessionários em arcadas menores no corpo da parede. A cabeceira da igreja acompanha na composição a forma tradicional de capela‐mor pouco profunda e duas colaterais em mesma disposição e forma. Chegadas a Olinda em 1611, as imagens de mesma fábrica de Santo Inácio e São Francisco Xavier, assim como a de Nossa Senhora da Graça são, respectivamente, as duas primeiras do século XVII e a última do anterior. Nos altares colaterais existem dois belos retábulos, executados em calcário nos anos finais do século XVI ou nos anos iniciais do seguinte. O exterior da igreja, de grande sobriedade e rica composição, tomou como modelo as igrejas de São Roque de Lisboa e São Paulo de Braga. O colégio, que se encontra por detrás da igreja, foi edificado no século XVI e exibe as mudanças resultantes de uma reconstrução posterior a 1654. Na sacristia da igreja se pode ver um lavabo fabricado em Portugal de excelente feitura com seus embutidos. A igreja foi inteiramente restaurada entre 1972 e 1978 pela Fundação do Património Histórico e Artístico de Pernambuco - FUNDARPE.

José Luiz Mota Menezes

Loading…