Novas Áreas do Porto Exterior (NAPE)

Novas Áreas do Porto Exterior (NAPE)

Macau, Macau, China

Equipamentos e infraestruturas

A administração de Macau, entre 1982 e 1983, com o objetivo de criar novas áreas de expansão urbanas e simultaneamente reorganizar o território, lançou uma série de concursos, designados por Estudos de Desenvolvimento Urbano, onde se integram as novas áreas de aterro do Porto Exterior (NAPE) e Areia Preta.
Os planos originais, terminados em 1984, resultaram de uma cuidadosa análise da linha de costa e de uma metodologia assente na análise histórica da evolução morfológica do uso do solo e no registo das principais características e tipologias urbanas.
A partir daí, foram definidos parâmetros básicos e uma estratégia de atuação adotada em função das pre-existências, de modo a criar uma nova área urbana feita na sequência do existente. Assim, o plano do NAPE assenta numa malha reticulada. Uma hierarquia da rede viária estrutura a ocupação disciplinada de quarteirões definindo ocupação e percentagens de uso do solo. Estes quarteirões de grande escala - cento e quarenta e quatro metros por setenta e dois a eixo dos arruamentos - são determinados a partir de uma tipologia onde o edifício de grande altura é implantado sobre uma plataforma funcional que integra o parqueamento e articula uma relação entre pódio e edifício, de modo a assegurar a unidade entre áreas livres e volumes construídos.
Definidora de uma hierarquia da rede viária, estrutura a ocupação e a ocupação disciplinada de quarteirões. O reticulado decorre na perpendicular à linha de costa, abrindo‐se, na sequência da grande avenida existente, uma ampla alameda que vai até ao mar, conferindo uma dimensão cívica ao plano e contribuindo para a qualidade da vida urbana da nova área. A linha de costa existente é mantida simbólica e funcionalmente, através da criação de um canal que passou a separar a nova extensão territorial.

Loading…