Igreja de São João Batista

Igreja de São João Batista

Carambolim, Goa, Índia

Arquitetura religiosa

Carambolim foi, com Divar, um dos primeiros lugares da conversão em massa ocorrida em Goa em meados do século XVI. A igreja, que já existia em 1541, provavelmente na forma de uma capela de taipa coberta de folhas de palma, tornou‑se muito conhecida pela festa de São João realizada no terreiro, compreendendo cavalhadas da fidalguia e dos notáveis da Velha Cidade. Ficou mais indelevelmente impressa na narrativa histórica a "Lagoa de Carambolim", ou seja, o lago ou braço de rio que dominava o território a sudeste de Velha Goa, onde teriam principiado as epidemias que, no início do século XVII, começaram a dizimar a população. A igreja existente é de inícios do século XVII: um edifício de nave única retangular coberta de telhado, com capela‑mor abobadada. A fachada principal vira‑se a norte contra um terreiro imenso, ao lado do qual passa a estrada que vem da Velha Cidade, resulta de um projeto de grande simplicidade mas também de grande erudição tratadística, baseado simultaneamente em Serlio e em Vredeman de Vries. A única torre, a nascente, é uma obra de 1858. A composição original do alçado principal - que não compreendia torres, como era característico de todas as fachadas goesas antes de meados do século XVII - foi inspirada na fachada da Igreja de Nossa Senhora do Monte (finais do século XVI). As duas fachadas são observáveis à distância, por sobre o coqueiral e os campos de arroz a nascente da Velha Cidade.

Loading…