Mercado

Mercado

Baucau, Baucau, Timor

Equipamentos e infraestruturas

De uma monumentalidade invulgar em Timor, cuja arquitetura colonial não prima nem pela riqueza nem pela originalidade, o Mercado de Baucau foi erigido por iniciativa do tenente Armando Eduardo Pinto Correia, administrador daquela circunscrição entre 1928 e 1934.
Inaugurado em outubro de 1932, o mercado, cujas dimensões mereceram a crítica de organismos governamentais, que consideraram a obra opulenta e excessiva, insere‐se num vasto plano de construção de edifícios públicos promovido por Pinto Correia, que contemplou a construção de duas residências para o administrador - uma em Baucau e uma outra em Venilale - as instalações da Secretaria da Circunscrição e Junta Local, bem como um conjunto de escolas, erigidas nas principais povoações da região.
De desenho afrancesado, ao modo como nas academias europeias se desenhavam os pavilhões para feiras e exposições agrícolas na transição entre os séculos XIX e XX, o Mercado de Baucau adquire uma escala inesperada no lugar, pelo carácter leve do edifício e pelo modo sábio como é implantado na transição entre colina e várzea, definindo um plano superior onde se desenvolve o mercado, com arcada em todo o perímetro e um plano inferior que constitui uma espécie de praça pública celebrativa, contemplativa do edifício e por ele dominada.
A diferença de cota entre os dois planos é assumida por embasamento cego e de massa, com escadaria monumental de dois braços, nascendo junto a cada torreão e terminando na linha de transição da colunata com o volume dos arcos centrais. Ao centro, entre as duas escadas e reforçando o eixo central da composição, aparece um portal encimado por frontão aberto ladeado por um par de colunas com capitel fitomórfico, sacralizando a depuração do embasamento com a introdução de um elemento arquitetónico requintado que confere ao lugar uma serenidade mais própria do templo.
Encima o embasamento a construção leve do mercado propriamente dito, composta pela galeria semicircular com colunata e arquitraves no intercolúnio, dois torreões nas extremidades e arco triunfal ao centro, com dois arcos menores laterais ao modo serliano, cuja unidade e leveza é acentuada pela caiação a branco. No coroamento da grande massa do embasamento, na cobertura da galeria da colunata e nos torreões, existe uma balaustrada também caiada a branco que acentua o ar leve e suspenso do edifício, delimitando‐o por uma espécie de delicado véu que desce até ao solo nas guardas das escadas, com balaústres e pilaretes nas transições dos planos inclinados e de nível.
Também nesta obra se sentiram os efeitos de uma campanha de obras transfigurante e descuidada, que eliminou a diferenciação de massa entre o embasamento e o corpo superior do mercado. Eliminou‐se o portal inferior com frontão e colunas, o que destruiu a finura da composição, substituindo‐a por um paredão caiado que banalizou a escadaria trocando monumentalidade por grandeza e, como se não bastasse, enfeitou‐se todo o sistema de arquitrave reta no intercolúnio da colunata superior com arcos lobados que transformam o edifício.

Edmundo Alves

Loading…