Igreja do Bom Jesus de Matosinhos e de São Miguel e Almas (Cabeças)

Igreja do Bom Jesus de Matosinhos e de São Miguel e Almas (Cabeças)

Ouro Preto, Vila Rica, Minas Gerais, Brasil

Arquitetura religiosa

Como em outras localidades de Minas e de Portugal, nesta igreja o culto ao Bom Jesus de Matosinhos está associado à devoção a São Miguel e Almas, possuindo também a invocação dos Santíssimos Corações de Jesus, Maria e José. Foi em 1771 que os moradores do Passa Dez (no Bairro das Cabeças, parte oeste da cidade) obtiveram licença do bispado de Mariana para erigir uma capela para o culto destas devoções. Em 1778, o mestre Pedro Francisco Rodrigues Lajes arrematou a obra do frontispício; em 1783, foi feito novo contrato com o pedreiro Pedro Miguel Moreira Gomes para a obra das torres, com cúpulas bulbosas e coruchéus. No adro, existe um chafariz parietal com data de 1763. Embora construída em fins do século XVIII, esta igreja assemelha‐se às construções religiosas da primeira metade do século com frontão triangular, duas torres de secção quadrada, duas janelas no nível do coro. A portada, encimada por nicho, constitui o elemento de maior interesse: segundo Myriam R. de Oliveira, este é o único caso de retorno ao "esquema tradicional do nicho com estátua", que foi bastante utilizado em meados do século em Minas, e já era obsoleto no final da década de 1770. Tal obra foi associada a Aleijadinho por um vereador de Mariana do final do século XVIII, mas, segundo a especialista, trata‐se de uma atribuição que coloca diversos problemas estilísticos. O certo é que alguns elementos trazem a marca inconfundível do mestre, como o "buquê" de três cabeças de querubins que arremata o arco, que vemos também nas igrejas de São Francisco de Ouro Preto e São João del‐Rei. Internamente, a decoração é extremamente simples, mas possui um belo conjunto de imaginária e duas telas atribuídas ao mestre Ataíde.

Cláudia Damasceno Fonseca

Loading…