Forte do Monte

Forte do Monte

Macau, Macau, China

Arquitetura militar

A mais importante fortificação de Macau foi sem‐ pre o Forte do Monte, também designado por Forte Grande ou de São Paulo, que está situado a cinquenta e cinco metros de altitude, num morro sobranceiro à cidade. Foram os jesuítas que iniciaram a primeira construção neste local, confundindo‐se hoje o que era a cerca do Colégio da Companhia de Jesus e o que viria a ser o forte propriamente dito. A autoria do primeiro traçado também anda envolta em controvérsia, havendo fontes que indicam um tal Inácio Moreira, enquanto outras apontam para que os planos iniciais sejam da autoria do padre Jerónimo Rho e de Francisco Lopes Carrasco, que seria um perito na arte de fortificar, com experiência anterior nas praças portuguesas do Norte de África.
Em 1625, e segundo documentação referente ao capitão Francisco de Mascarenhas, o forte tinha já três baluartes terminados, trabalhando‐se no quarto, que ficaria pronto em 1626. Fazia‐se também nesse ano uma das cortinas, havia uma casa da pólvora e sobre as plataformas estavam instalados dez canhões. Estes baluartes foram construídos por iniciativa e sob a administração da Companhia de Jesus, e custaram 40.000 xerafins à Fazenda Real.
O forte ocupa uma área aproximada de 2.000 metros quadrados, formados segundo uma planta em quadrilátero irregular, com quatro baluartes poligonais nos cantos em forma de espigão, todos diferentes devido a terem que se conformar ao terreno. Tinha disponíveis dezoito peças de artilharia grossa. Os muros laterais vão estreitando em largura, até ficarem com um pouco mais de três metros, e a altura ficou pelos dez metros. A praça de armas tinha quatro renques de casas, umas para os comandantes e outras para os soldados, além de um depósito de armamento, paióis com munições metidos na espessura dos muros e cisternas.
Reportando‐nos ao século XVIII e depois de muitas décadas sem informações sobre obras ou alterações relevantes, sabemos que em 1744 estava concluída uma estrada coberta. Entre 1871 e 1873 houve campanhas de melhoramentos, concluindo‐se o quartel de artilharia, inaugurado a 1 de julho deste último ano, e fizeram‐se reparações gerais em todo o interior. Também se fortaleceram os muros de suporte para evitar desmoronamentos e foi aproveitada a ocasião para melhorar os acessos externos.
Teremos que anotar o motivo emblemático que enobrece a porta principal, um escudo de Portugal sustentado por dois anjos, que transportam também uma Esfera Armilar e uma Cruz da Ordem de Cristo, empresas de D. Filipe III. Sobrepuja a composição um baixo‐relevo a meio corpo do apóstolo São Paulo.

Pedro Dias

Loading…