Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Guiné [antigo Sindicato Nacional dos Empregados do Comércio e Indústria]

Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Guiné [antigo Sindicato Nacional dos Empregados do Comércio e Indústria]

Bissau, Guiné-Bissau | Golfo da Guiné | São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau

Equipamentos e infraestruturas

Dentro do contexto dos edifícios corporativos projetados para a província da Guiné Bissau, encontra-se o Sindicato Nacional dos Empregados do Comércio e Indústria (atual Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Guiné), produzido no âmbito do GUU sob a responsabilidade de Eurico Pinto Lopes. O projeto reproduz o modelo de uma arquitectura luso-africana "de representação", com origem na Metrópole e amplamente difundida nos trópicos. Evidencia claramente a procura de uma imagem que, nas Obras Públicas, promove os valores da arquitetura do Estado Novo, respondendo claramente às especificidades das regiões africanas subsaarianas.

O edifício insere-se numa praça, situação frequente em projetos congéneres, que culmina no fim da antiga avenida da República atual Avenida Amílcar Cabral, junto à atual Avenida 3 de Agosto, a marginal junto ao mar. Morfologicamente aproxima-se de uma configuração largamente difundida, com uma volumetria paralelepipédica (tipo pavilhonar), galeria profunda com arcadas no piso térreo, e onde se destacam a varanda e a cobertura inclinada proeminente.

Consiste num bloco principal de dois andares, aproximadamente de 35 m de comprimento por 15 m de largura, rematado por longas coberturas em telha e respectivos beirais, características dos modelos arquitetónicos da produção do Gabinete. A fachada principal em pedra é rasgada por longos vãos verticais e denuncia uma simetria intencional. No piso térreo concentram-se os departamentos de contabilidade e administração e conselho geral. O núcleo das escadas assume-se como um elemento de transição, ladeado por duas galerias cobertas que dão acesso ao ginásio e balneários, conformando o corpo posterior do conjunto. Biblioteca, salão nobre e bar distribuem-se no primeiro piso, estando limitados por uma varanda de 2 m de profundidade que contorna o perímetro do corpo.

Em 2011, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Guiné apresentava uma visível necessidade de obras de restauro, embora continue funcionando dentro dos moldes para os quais foi projetado.

Ana Vaz Milheiro

Os Gabinetes Coloniais de Urbanização: Cultura e Prática Arquitectónica.
(PTDC/AUR-AQI/104964/2008)

Loading…