Igreja do Calvário e Igreja de São Tomás de Sandor

Igreja do Calvário e Igreja de São Tomás de Sandor

Nirmal, Área Metropolitana de Mumbai (Bombaím), Índia

Arquitetura religiosa

Estas igrejas são assinaláveis sobretudo pela fachada principal, que é quase exatamente igual em ambas: uma fachada retabular em duas ordens sobrepostas, e uma pequena terceira ordem em Nirmal. Ambas aparecem coroadas por uma empena curvilínea e estão ladeadas de sineiras. Estas composições são do mesmo tipo da de Santo André de Bandra, embora de forma mais arquitetónica e lógica, sendo os seus elementos colunas e não um conjunto de peças recolhidas de maneira aparentemente aleatória, como sucede em Bandra. Nada sabemos de seguro e os dados adiantados seguidamente, com exceção das datas, deverão ser entendidos como hipotéticos. A fachada da Igreja do Calvário, quase certamente construída no século XIX, é uma paráfrase da Igreja de São Tomás de Sandor. Os elementos que, nesta última, podem ser quinhentistas ou primo‐seiscentistas (as pilastras com incisões da ordem inferior) foram substituídos, em Nirmal, por colunas e pilastras lisas. A ordem superior é provavelmente oitocentista em ambas as fachadas, bem como as sineiras e a empena. São Tomás de Sandor foi fundada em 1566 como paróquia jesuíta. Danificada com a guerra do Forte do Morro de Chaul em 1594, foi reconstruída em 1597, podendo corresponder a esta reconstrução a ordem inferior da fachada principal. A igreja foi destruída pelos árabes de Omã em 1697. Em 1889 foi muito alterada. Pode ter correspondido a esta campanha de obras a forma da fachada como a vemos hoje e a completa transformação da nave, que agora aparece articulada por pilares‐contraforte sustentando uma cobertura de madeira. A igreja de Nirmal foi reconstruída em 1856, como atesta uma lápide colocada no sítio. De invocação do Monte Calvário, criada cerca de 1557 num outeiro sobranceiro a um tanque onde existem ainda hoje muitos santuários hindus, a igreja foi destruída pelos maratas em 1739. A invocação do Calvário, justificada pela localização da igreja, era característica da devoção da Custódia de São Tomé. Existiam talvez na época franciscana pequenas capelas de uma Via Sacra condu‐ zindo à igreja. Corresponderá à reconstrução de 1856 e a obras posteriores a reinvocação da igreja (à Santa Cruz) e a introdução de um elemento novo na nave única (que tem cobertura de madeira): os nichos semicirculares concheados que articulam os alçados laterais no piso inferior. Trata‐se de um tema originalmente jesuíta, característico da arquitetura de Goa, com presença no norte apenas na igreja jesuíta de Diu. Todavia, podem ver‐se dois nichos desse tipo em Sandor, correspondendo ao interior das portas laterais da fachada principal, uma localização muito pouco habitual, senão única. Podem resultar da deslocação de peças que estavam noutros sítios da igreja. Se Sandor tinha nichos semicirculares concheados, a presença de tais nichos em Nirmal é mais fácil de explicar.

Loading…