Casa de Câmara e Palácio Episcopal

Casa de Câmara e Palácio Episcopal

Olinda, Pernambuco, Brasil

Equipamentos e infraestruturas

Em estampa titulada Marin d’Olinda (1630‐31), inserta em livro de Johan de Laet, destinado a narrar a história da Companhia das Índias Ocidentais, se pode ver uma construção, em dois pavimentos, perto da Matriz do Salvador, representando a Casa de Câmara de Olinda. Quando a vila foi elevada à condição de cidade, em 1676, ao bispo D. Estevão Brioso de Figueiredo, nomeado no reinado de D. Pedro II, foi entregue esse edifício e a Câmara foi transferida para outra parte da cidade. A esta construção se anexaram duas outras, e tudo veio abrigar o Palácio Episcopal de Olinda. Várias intervenções arquitetónicas ocorreram no palácio e ele, com fisionomia bem descaracterizada, assim chegou até 1972, quando foi restaurado e adaptado para um Museu de Arte Sacra. Aquele palácio se organizou arquitetonicamente com a soma de três construções diferentes: a primeira, bela casa senhorial, com dois mirantes; uma casa térrea e aquela da Câmara. O projeto do palácio assim concebido, de autor desconhecido, se encontra no Arquivo Nacional do Rio de Janeiro. Nunca se completou tal proposta. A restauração realizada no século XIX contemplou a fisionomia do prédio. O Museu de Arte Sacra integra o conjunto turístico de Olinda. No prédio, reposto em seu lugar de origem no restauro de 1972, estão dois de quatro painéis de tema profano de feitura do século XVIII.

José Luiz Mota Menezes

Loading…